//
Graffiti & Arte Urbana – Artigos

Voltar+

Há quem prefira chamar o golpe militar de 1964 de “revolução”. Muitas vezes, esse termo está vinculado a um discurso “desgolpista” por parte daqueles que amordaçaram o Brasil por duas décadas. Entretanto, o que seria de nós se não fosse a falta e a injustiça? Como sobreviveríamos ao estabelecer neoliberal no aqui-agora sem doses de Chico, Leminski e Vallauri?

Há quem prefira chamar o golpe militar de 1964 de “revolução”. Muitas vezes, esse termo está vinculado a um discurso “desgolpista” por parte daqueles que amordaçaram o Brasil por duas décadas. Entretanto, o que seria de nós se não fosse a falta e a injustiça? Como sobreviveríamos ao estabelecer neoliberal no aqui-agora sem doses de Chico, Leminski e Vallauri?

Na programação musical do dia do Graffiti, o fino da música instrumental contemporânea esteve presente com metais, afrobeats e uma variação de ritmos típica da relação entre regionalismo e capital, como em São Paulo.

Na programação musical do dia do Graffiti, o fino da música instrumental contemporânea esteve presente com metais, afrobeats e uma variação de ritmos típica da relação entre regionalismo e capital, como em São Paulo.

A Rua Augusta é uma fauna aos fins de semana. Durante os outros dias e sob a luz do sol, as manifestações de artistas públicos se tornam uma espécie de galeria à céu aberto de gostos e expressões.

A Rua Augusta é uma fauna aos fins de semana. Durante os outros dias e sob a luz do sol, as manifestações de artistas públicos se tornam uma espécie de galeria à céu aberto de gostos e expressões.

Ontem recebi pelo FB o link do doc de street art “Cola de Farinha”, do Maicknuclear. Resolvi fazer uma pesquisa rápida na web para postar alguns lambes (wheatpaste) e o doc do mano. Assistam e pratiquem!  Acredito que seja uma das prática de arte mais livre que exista atualmente.

Ontem recebi pelo FB o link do doc de street art “Cola de Farinha”, do Maicknuclear. Resolvi fazer uma pesquisa rápida na web para postar alguns lambes (wheatpaste) e o doc do mano. Assistam e pratiquem! Acredito que seja uma das prática de arte mais livre que exista atualmente.

Houve um tempo em que o que se tinha era o corpo e a fala. Entretanto, éramos instigados a usar o ouvido e mexer nossos corpos em direção ao que se escutava. De repente, uma invasão de tecnologias e ideias fez das ruas um lugar das mãos e dos olhos.

Houve um tempo em que o que se tinha era o corpo e a fala. Entretanto, éramos instigados a usar o ouvido e mexer nossos corpos em direção ao que se escutava. De repente, uma invasão de tecnologias e ideias fez das ruas um lugar das mãos e dos olhos.

A comunicação urbana acontece a partir de várias linguagens e formas de expressão. Elas são institucionais, como as placas de trânsito; comerciais, com as publicidades invadindo nosso campo visual; coletivas, a partir de todo o movimento e caos de corpos, falas e espaços ocupados por nós, nossos carros e também, claro, pelos animais e o pouco de natureza que resta nas cidades.

A comunicação urbana acontece a partir de várias linguagens e formas de expressão. Elas são institucionais, como as placas de trânsito; comerciais, com as publicidades invadindo nosso campo visual; coletivas, a partir de todo o movimento e caos de corpos, falas e espaços ocupados por nós, nossos carros e também, claro, pelos animais e o pouco de natureza que resta nas cidades.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Leia!

Tryoka Koletiva

Obvious

Sons & Vibrações

Blog de Fotografia

BLOG

%d blogueiros gostam disto: