//
Acrescente
Artes, Fotografia, Natureza

Luz de Feira | Volume

Todo dia é dia de feira no Brasil. Aqui, As frutas já caem podres, mas quando tocam o solo, amadurecem. Nosso país é uma analogia ao encontro sui generis que é a feira. Surge mais ou menos de forma espontânea, com intenções de atender a falta ou necessidade que uma comunidade ou nômade tem de se suprir. O lugar, ali parado, recebe informações e produtos e desses, saem novas informações e produtos feitos ali mesmo, a partir da relação que foi permitida. Já o nômade, sufocado por sua saga andarilha, vê na feira uma oportunidade de percorrer quilômetros em poucos metros, de ver em cenário tão desconhecido oportunidades de negociar seus pertences, encontrar coisas perdidas e rever culturas idas.

Todo mundo que entra na fotografia faz ensaio de feira e de cemitério. Um é a vida acontecendo e o outro é ela acontecida. Segue, então, a parte um da existência:

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Leia!

Tryoka Koletiva

Obvious

Sons & Vibrações

Blog de Fotografia

BLOG

%d blogueiros gostam disto: